Publicidade

Publicidade

19/01/2012 - 18:31

Quem diria, até você, Marilyn Monroe!

Compartilhe: Twitter

Diogo Veiga, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Marilyn Monroe

SÃO PAULO – Em sua segunda crônica escrita com exclusividade para o Aplauso Brasil, Diogo Veiga escreve sobre um tema espinhoso para os que integram comissões julgadoras: como conceder prêmios para estrelas da mídia, mesmo que seu trabalho artístico apresentado, diferente de outros de sua carreira, seja de maior relevo dentre os que estão em julgamento.

Faz alguns anos que sou professor de dança e fui convidado a participar de um evento como jurado. Quando participo de um, coloco em meu pensamento que o que avaliarei será apenas o talento mostrado em palco, tentando ter uma postura neutra, neutralizando tanto a opinião de meus colegas quanto por quem realmente dança. Dançar vai além da técnica, do simples dois pra lá e dois pra cá, é algo que mexe com o corpo, a mente e a própria música no sentido de entender seu ritmo, interpretar sua origem, e, a partir daí, apreciar a arte em sua essência. E julgar alguém dançando é analisar toda uma série de movimentos, a expressão do corpo, o sentimento passado no compasso da música, isso não é uma tarefa fácil, e, por conseguinte, em véspera do tal evento, meus pensamentos estavam constantemente ligados nisso, os meus sonhos eram invadidos por microfones, faixas e troféus de campeão a todo o momento, ritmo de dança que variava da salsa ao rock, do batuque de atabaque a hinos monástico, dominava o ambiente. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Multimídia Tags: , , , ,
Voltar ao topo