Publicidade

Publicidade

15/01/2012 - 23:41

Adeus a Fernando Peixoto

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Fernando Peixoto foi homenageado pelo Prêmio Shell de Teatro de São Paulo

SÃO PAULO – Acabo de chegar em casa após comemorar meu 37º aniversário entre família e me defronto com um triste e-mail dando a notícia que o  estre Fernando Peixoto, ator, diretor, teórico e um dos homens de teatro mais importante para as artes cênicas brasileiras da era moderna, morreu nesta manhã, aos 75 anos, no Hospital São Luiz, onde estava internado desde dezembro do ano passado por conta de um câncer no intestino.

Em comunicado, o ministro interino da Cultura, Vitor Ortiz, lamentou a morte do diretor. “O Brasil acaba de perder um dos maiores pensadores de teatro, o diretor, ator, escritor e professor Fernando Peixoto. Suas reflexões sobre o teatro internacional e sua contribuição ao teatro brasileiro na segunda metade do Século 20 foram fundamentais”, disse Ortiz na nota de pesar publicada no site do Ministério.

Abaixo você lê um texto emocionado e emocionante escrito pelo ator e dramaturgo Jair Alves. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, ESPAÇO GRUPOS & CIAS. Tags: , ,
02/06/2010 - 00:51

Morre Kazuo Ohno aos 103 anos

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Kazuo Ohno em "La Argentina

Poucos minutos depois de saber da morte de Kazuo Ohno, pelo meu editor Carlos Adão Volpato (Último Segundo – Cultura) que escrevia matéria em que noticiou o ocorrido (CLIQUE AQUI para lê-la), recebi um email do LUME, grupo teatral de Campinas, definitivamente influenciado pelo dançarino, um dos principais difundidores da dança butô, a partir das observações feitas por Ohno, em 1986, ao assistir demonstrações técnicas executadas por Luís Otávio Burnier e Carlos Simioni, fundadores do LUME.

A dança Butô surgiu na década de 1960, por meio do bailarino Tatsumi Hikijata (1928 – 1986), no Japão como negação de todos os tipos de arte praticados na cena japonesa antes da Segunda Guerra Mundial. Os temas utilizados por Hikijata sempre expôs a ferida dolorida da nação atingida pela bomba atômica que dizimou as cidades de Hiroshima e Nagasaki e ficou conhecida por “dança das trevas”.

Em contrapartida, Kazuo Ohno (1906 – 2010) dedicava-se aos temas mais instrospectivos, os que sondavam a alma humana, em movimentos silenciosos que davam vazão ao que estava sombreado no interior, por isso a sua arte é conhecida por “dança da luz”.

Antunes Filho, nosso diretor teatral escafandrista do oceano inconsciente, manteve estreita relação de troca artística e de ideais com Kazuo Ohno, criou Foi Carmen em homenagem aos 100 anos de Ohno, espetáculo concebido em homenagem a La Argentina, primeiro grande sucesso do artista japonês, apresentado em Tokyo.

São inúmeros os órfãos do butô de Kazuo Ohno, mas, como as tradições orientais ganham a eternidade, o legado do artista deixa sólidas raízes.

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , ,
Voltar ao topo