Publicidade

Publicidade

01/07/2012 - 16:11

Um Ibsen inédito na cidade

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"A Dama do Mar"

Sob direção de Sérgio Ferrara, A Dama do Mar, peça simbolista  do dramaturgo norueguês narra o drama de uma mulher que se casou com um médico viúvo mas está presa ao passado, quando se envolveu com um marinheiro que prometeu voltar para se casarem

SÃO PAULO – Pela primeira vez montada em na capital paulista, estreou nesta semana, no Teatro Nair Bello, a peça A Dama do Mar, de Henrik Ibsen, projeto que o premiado diretor Sérgio Ferrara acalenta há mais de quatro anos. Com um elenco de oito atores, a trama gira em torno de Élida Wangel, interpretada por Ondina Clais Castilho, uma mulher madura, casada com um médico viúvo e pai de duas moças, mas que não consegue se entregar ao relacionamento em função de seu envolvimento na juventude com um marinheiro desconhecido (Renato Cruz).

Eles tiveram um romance passageiro, mas intenso, e como símbolo deste encontro enlaçaram seus anéis e jogaram ao mar. O rapaz partiu, mas prometeu voltar para se casarem; trocaram correspondência e Élida cansou da espera; escreveu dizendo que o trato estava rompido e casou-se com Dr. Wangel (vivido por Luiz Damasceno). Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , ,
12/04/2012 - 23:12

A plateia bate palma e pede bis

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Sylvia Bandeira vive Marlene Dietrich

SÃO PAULO – E não é para menos. Parece que a gente está participando de um show maravilhoso e íntimo que nos apresenta pessoalmente ninguém menos do que Marlene Dietrich em Marlene Dietrich – As Pernas do Século, de Aimar Labaki, em cartaz no Teatro Nair Bello (Shopping Frei Caneca). Tudo bem simples, sem os exageros da Broadway. Mas em compensação Sylvia Bandeira nos leva para passear na Alemanha, na França e até no Brasil, cantando as músicas da época tão bem que não dá pra saber se quem canta melhor Non, Je Ne Regrette Rien é ela ou a Edith Piaf.

É simplesmente fantástico, ainda mais que contracenam com ela José Mauro Brant, Márcia Luna Cabral e Silvio Ferrari – os três com larga experiência em musicais – fazendo papeis variados neste musical, surpreendendo  o tempo todo pela qualidade do trabalho seja como atores seja como cantores. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
05/04/2012 - 00:19

Sylvia Bandeira revive no palco o mito Marlene Dietrich

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Sylvia Bandeira protagoniza "Marlene Dietrich - As Pernas do Século"

De Aimar Labaki e direção William Pereira, Marlene Dietrich – As Pernas do Século é uma biografia musicada de uma das mais glamourosas estrelas do cinema e da música do século XX. Ao lado de Sylvia estão José Mauro Brant, Marciah Luna Cabral e Silvio Ferrari

SÃO PAULO – Tendo como pano de fundo os principais acontecimentos do século 20 do século passado, Marlene Dietrich – As Pernas do Século, em cartaz no Teatro Nair Bello, é a primeira montagem teatral brasileira que retrata o mito da atriz e cantora alemã, naturalizada norte-americana, Marlene Dietrich.

Aimar Labaki, autor da peça, optou por contar a trajetória de vida da grande estrela de maneira inusitada, ou seja, do fim para o começo; aos 90 anos, no final de sua vida, sentada em seu apartamento de Paris é que Marlene recebe um entregador que nem imagina com quem está falando. O garoto é convencido pela velha senhora a sentar e ouvir um pouco de sua história. É desta forma que os principais momentos vividos pela estrela são retratados no palco, desde o início da carreira em Berlim dos anos 20, ao glamour de Hollywood dos anos 1930 e 40, sua opção por cantar no front da II Guerra Mundial para os soldados aliados até se tornar a grande estrela dos musicais e percorrer o mundo cantando. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , ,
09/02/2012 - 20:48

Não é exatamente suspense, mas um ótimo ardil

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeia*s, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Festim Diabólico", em cartaz no Teatro Nair Bello

SÃO PAULO – Quem teve oportunidade de conviver um pouco com os ingleses, certamente sabe que é um povo muito diferente de nós: Cerimoniosos, preocupados com o que dizem, fazendo conjecturas e não as revelando, pois como dificilmente se abrem e falam o que acham, criam inúmeras fantasias do que vivem. Temos que concordar com Paulo Vanzolini quando no seu Samba Erudito afirma que quem for demais até pra paciência de inglês, não tem mais jeito. E, nos parece que, tendo esse tipo de comportamento, têm tudo para serem os campeões do suspense, como de fato o são. Nesse aspecto é impossível deixar de lembrar de Edgar Allan Poe (1809 a 1849), que foi um gênio (Assassinatos na Rua Morgan) e antecedeu os ingleses, mesmo sendo americano. Tudo indica que, no caso, a exceção confirma a regra.

Nossas tradições não incluem técnicas de iluminação, cenário e trilhas sonoras que contribuam para o suspense. São razões que nos levam a valorizar muito a direção de Festim Diabólico, a cargo de Carlos Porto de Andrade Jr., para obra do britânico Patrick Hamilton que já virou filme impecável e de sucesso. É a primeira vez que o texto, originalmente escrito para teatro, é montado por aqui. A encenação é feita como que sugerindo um futuro crime que parece não ter sido cometido e que, portanto, não passou de um ardil de alguns dos personagens. Essa situação é acompanhada com extremo interesse pela platéia que se alivia com um final em clima de dúvida e não de catástrofe.

Não são essas as principais características – ainda que muito importantes – para tornar o espetáculo imperdível, mas a impecável interpretação do elenco. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , ,
01/03/2011 - 17:33

“Mambo Italiano”: siso e muito riso

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, colunista colaborador do Aplauso Brasil

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone, parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

A peça do canadense Steve Galluccio já recebeu versão para o cinema e fica em cartaz em São Paulo até o final de março

Comédia está em cartaz no Teatro Nair Belo

Típica família italiana da Mooca, com os tradicionais almoços de domingo, alegria, confusão e os ânimos sempre à flor da pele. Os exageros de sentimentos da mama italiana aliados ao machismo característico da família tradicional quando o filho abre seu coração e confessa-se gay. Pronto, todos os ingredientes de Mambo Italiano estão postos à mesa.

Do original canadense escrito em 2000 por Steve Galluccio, o texto, graças ao imenso sucesso nos palcos, ganhou uma versão cinematográfica três anos depois. A montagem, que está em cartaz até o final de março no Teatro Nair Bello (Shopping Frei Caneca), tem tradução e direção de Clarice Abujamra. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , ,
14/02/2011 - 19:26

Duas peças exóticas

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, colunista e crítica teatral do Aplauso Brasil

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Em cartaz no Miniteatro da praça Roosevelt Decifra-te ou me Devora mistura vídeo e poesia. Claro que de

"Decrifra-te ou me Devora" - foto de João Caldas

teatro mantém a presença dos atores que declamam, ou melhor, dizem versos calmamente. O tema é lindíssimo: a paixão cega e incontrolável, dessas que não possibilita conhecer o outro porque a emoção é forte demais.

O roteiro é dos dois ótimos atores (Helô Cintra e João Paulo Lorenzon) e do diretor como sempre competente Elias Andreato.

O cenário é também de Elias, os belos figurinos de Laura Andreato, e a iluminação eficiente de Marcelo Lazzaratto.

É um mínimo teatro e uma peça curta, mas vale ver.

AíPod, em cartaz no Teatro Nair Bello (Shopping Frei Caneca), Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , ,
02/02/2011 - 13:46

Simone Gutierrez e Eduardo Berton apresentam “AíPod”

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Simone Gutierrea e Eduardo Berton em "AíPod"

Quem perdeu o musical Hairspray, dirigido por Miguel Falabella, conhece apenas a comicidade evidente da atriz Simone Gutierrez que acaba de se tornar conhecida nacionalmente depois de dar vida à secretária Lurdinha na novela Passione, da TV Globo. Mas ela protagonizava o musical, ao lado do experiente ator Edson Celulari, e encantava com seu talento vocal e cômico à plateia. E ao lado de Eduardo Berton estreia hoje, no Teatro Nair Belo, AíPod.

Gutierrez e Berton dão vida, respectivamente à Rita Londres e Paulinho Correia, casal que comanda a rádio “Rádio”, uma emissora com atrações bizarras e com pitadas de bom humor.

“O texto é simples, dinâmico e hilário. Eu acredito que muitas pessoas vão se identificar com as personagens”, apota Simone.

AíPod é uma comédia em que a banda chamada AíPod (cujos vocalistas são Simone e Eduardo) toca trechos, ao vivo, e em formato acústico, dos grandes sucessos da vida dos dois locutores excêntricos (Rita e Paulinho).

“Impossível não se divertir dentro e fora de cena”, conta Simone.

O espetáculo apresenta ao público um repertório recheado de sucessos nacionais e internacionais, de artistas como Tom Jobim, George Michael, Cindy Lauper, Lady Gaga, Beyoncé e das bandas Queen, Titãs e Barão Vermelho, entre outros. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , ,
10/01/2011 - 12:41

“Mambo Italiano” diverte o público

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Comédia está em cartaz no Teatro Nair Belo

A platéia morre de rir com a peça Mambo Italiano, de Steve Galluccio, que acabou de estrear no Teatro Nair Bello, no Shopping Frei Caneca. E não é pra menos, já que a direção de Clarice Abujamra ocupa o espaço teatral com grande habilidade, a ponto de, mesmo sendo um palco bastante amplo, sente-se muita proximidade com as personagens e suas falas.

Afinal é um elenco de primeira linha, visto que inclui Antonio Petrin, Cláudia Mello, Tânia Bondezan. Isso, além dos mais jovens e talentosos como Carla Fioroni, Jarbas Homem de Mello, Luciano Andrey e Lára Córdula. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , ,
06/01/2011 - 04:35

Comédia é a primeira estreia do ano

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Elenco de "Mambo Italiano"

O Teatro Nair Bello, aquele que fica o 3º andar do Shopping Frei Caneca, é o palco da primeira estreia de 2011, nesta quinta-feira (6), às 21h. Trata-se da comédia Mambo Italiano, do canadense Steve Galluccio, sob direção de Clarisse Abujamra, quem assina também a tradução e a adaptação do texto.

Inédito no país, Mambo Italiano traz no currículo bem-sucedidas temporadas nos Estados Unidos, Canadá e Europa, colocando em cena a ruptura com os modelos tradicionais da família. A trama da peça é permeada de personagens cujas trajetórias são totalmente anti-convencionais, caso de Ângelo (Luciano Andrey), roteirista de TV e gay assumido que namora Nino (Jarbas Homem de Mello) que ainda “não saiu do armário”. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Notas e Oportunidades Tags: , , , ,
18/11/2010 - 17:14

Última semana de “Casting”

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

"Casting" - da esquerda para direita - Caco Ciocler, Bete Dorgam, Aline Moreno, Natalia Gonsales e Bia Toledo - crédito - Bianchi Jr.

Em cartaz no Teatro Nair Bello (no 3º andar do Shopping Frei Caneca), o espetáculo “Casting”, do russo Aleksander Gálin, dirigido por Marco Antonio Rodrigues, encerra temporada no próximo domingo (28). Reproduzo abaixo a crítica que escrevi sobre essa deliciosa comédia que, entre outros, traz Bete Dorgan, Caco Ciocler, Nani de Oliveira, Nicolas Trevijano e Selma Luchesi no elenco.

Quando a luz cai ao final do segundo ato de “Casting”, de Aleksander Gálin, autor russo contemporâneo montado pela primeira vez no país, o riso que tomava conta da plateia desloca-se para o lamento poético da melodia do acordeon de Tamara (Nani de Oliveira, em delicada performance). Há, meio ao absurdo da situação, uma urgência desesperada em acreditar num porvir redentor.

Um anúncio no jornal recrutando mulheres a participarem de um concurso de talentos artísticos recebe, entre as inúmeras candidatas, algumas mulheres “velhas e feias” para terem a chance de exibirem seus dotes artísticos durante o concurso. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo