Publicidade

Publicidade

18/09/2012 - 23:52

Ingrid Guimarães mostra quais as Razões Para Ser Bonita

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (nanda@aplausobrasil.com)

"Razões Para Ser Bonita"

SÃO PAULO – Razões Para Ser Bonita é mais uma produção teatral patrocinada pelo Projeto Vivo Encena e conta com a direção de João Fonseca, responsável pela encenação de espetáculos que estão em cartaz na capital paulista: Maria do Caritó, com Lilia Cabral, e Dorotéia, com Alinne Moraes.

A peça de Neil Labute, que foi sucesso de público e crítica na Broadway e em Londres, fala da obsessão pela beleza e questiona os seus limites. Um tema atual que permeia o cotidiano não somente das mulheres, mas também de vários homens.

Razões Para Ser Bonita integra uma trilogia, da qual fazem parte também Gorda e As Formas das Coisas, em que Neil Labute aborda questões relacionadas ao mundo atual.

A atriz Débora Evelyn indicou o texto à Ingrid Guimarães que se encantou com a qualidade da obra e o assunto que o autor discute.

¨É um texto de amor que fala sobre a obsessão da beleza e sobre o que o outro pensa de nós.  As pessoas vão se identificar muito¨, declara Ingrid, que produz a montagem em parceria com a Chaim Produções.

Ingrid conhece e admira o diretor João Fonseca desde o período em que ele trabalhava como assistente de direção de Antonio Abujamra na Cia Os Fodidos Privilegiados, companhia na qual a atriz fez cursos de teatro assim que começou a morar no Rio de Janeiro. Desde que conseguiu os direitos do texto, o convidou para esse trabalho. Uma parceria que se estabeleceu há mais de um ano. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
19/07/2012 - 07:05

Comédia romântica revela o talento da jovem atriz Julia Gomes

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"A Garota do Adeus"

SÃO PAULO   – A Garota do Adeus apresenta o dia-a-dia de uma bailarina que é obrigada a dividir o seu apartamento com  Hélio, um desconhecido, depois que é abandonada pelo namorado.

Paula (Gabriela Duarte) vive com a filha Luci (Julia Gomes), de dez anos, e não tem sorte nos seus relacionamentos. Como o título da peça sugere, ela é sempre deixada pelas pessoas que ama.

Num primeiro momento, Hélio e Paula não conseguem se entender devido às diferenças de personalidade, mas aos poucos os dois personagens vão se aproximando e o amor é inevitável. São duas pessoas sozinhas, em busca do sucesso profissional e que apesar das diferenças começam se encantar um pelo outro. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
24/05/2012 - 13:05

Delicada, divertida e instigante, assim é A Garota do Adeus

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"A Garota do Adeus"

SÃO PAULO – Reunir essas qualidades num mesmo texto teatral não é pra qualquer um, mas é simples para Neil Simon, o campeão dos sucessos na Broadway. Nascido em 1927 escreveu peças como Estranho Casal e Hairspray, seus sucessos mais recentemente montados por aqui. Agora chega A Garota do Adeus. Peça que merece, como quase todas as obras (Descalços no Parque e Jesus Cristo Superstar, entre outras da enorme coleção do autor, o título que escolhemos para esse artigo.

O enredo trata de uma senhora Paula, abandonada pelo marido, o qual simplesmente subloca a própria casa, onde ela e a filha moram. Fazer o que? Era ele quem tinha assinado o contrato!

O responsável pela ótima adaptação é Edson Fieschi quem, também, interpreta o novo locatário com brilho e tem que se acertar com a protagonista Paula, a cargo da maravilhosa Gabriela Duarte, cuja filha Júlia Gomes de tenra idade, promete ser uma futura Fernanda Montenegro. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , , , , , ,
05/04/2010 - 20:41

Com o dedo na ferida

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Elenco de GORDA

Você é uma pessoa preconceituosa? Não vale responder sem antes ter ido assistir à maravilhosa peça Gorda (quanto pesa o amor), em cartaz no teatro Procópio Ferreira, sextas e sábados, 21h30, e domingos às 19h. Pra lá de imperdível. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , ,
09/03/2010 - 19:11

Fabiana Karla é Gorda

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Fabiana Karla e Michel Bercovitch (indicado ao Prêmio Shell de Teatro 2009 pelo desempenho em GORDA)

A dramaturgia de Neil Labute vem ganhando um grande espaço no teatro brasileiro contemporâneo. Primeiro houve a encenação de Baque, sob a direção de Monique Gardenberg, em 2004. Ano passado, Antônio Fagundes estreou Restos, também do autor norte-americano. Agora, chega a São Paulo – sexta-feira (12), no Teatro Procópio Ferreira – depois de uma temporada de sucesso no Rio de Janeiro, Gorda. Quem assina a direção do espetáculo é o, consagrado dramaturgo e diretor, argentino Daniel Veronese.

Gorda fala do amor entre Tony e Helena, cujo principal rival é o preconceito da sociedade contemporânea, obcecada pela imagem.

Fabiana Karla e Michel Bercovitch – indicado ao Prêmio Shell Rio de Janeiro, na categoria de Melhor Ator 2009, por esta peça –, interpretam o casal Helena e Tony. Para a atriz, com vasta experiência em papéis cômicos, esta é sua primeira atuação em uma peça que, além de uma divertida comédia, traz uma abordagem provocativa sobre a sociedade contemporânea e seus preconceitos. Mouhamed Harfouch e Flávia Rubim completam o elenco. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , ,
02/02/2010 - 17:46

Diretores veteranos celebram elegância cênica

Compartilhe: Twitter

Afonso Gentil, especial para o Aplauso Brasil (afonsogentil@aplausobrasil.com)

Com texto de Neil Simon, comédia está em cartaz no Teatro Folha

Com texto de Neil Simon, comédia está em cartaz no Teatro Folha

Nocauteando uma considerável porção de renitentes, presunçosos e bisonhos adeptos de última hora do processo colaborativo (aquele em que todos dão palpites, geralmente, para o desastre final), método “moderno”, “contemporâneo” de uma montagem teatral, tão em voga ultimamente, para, é bom acrescentar, suplício do público bem informado e bem formado e da crítica mais atenta às investidas estéreis dos sem-talento contra (ora veja!) a competência hegemônica, desde sempre, dos espetáculos onde um diretor congrega e comanda toda a sua equipe para servir às idéias do autor eleito, os  experientes diretores Celso Nunes e José Rubens Siqueira  retornam com dois magníficos exemplos de elegância cênica: Estranho Casal e O Inferno Sou Eu, respectivamente.

Estes dois espetáculos elegantes (como elegância leia-se competência, bom-gosto, equilíbrio técnico-artístico, garbo e todos os demais sinônimos do Aurélio), livram-nos do pesadelo da lembrança do “colaborativo” mais recente, o abominável e irritante DDP-4469, visto em dezembro, mas ainda ocupando o mítico palco do Teatro de Arena, tornando a Funarte uma vítima involuntária e distraída da incompetência do “coletivo” contemplado para usar o espaço. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
25/01/2010 - 17:31

Convencional imperdível

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

<i>Estranho Casal</i>, de Neil Simon, direção de Celso Nunes

Estranho Casal, de Neil Simon, direção de Celso Nunes

Neil Simon é o autor mais bem sucedido da Broadway. É claro que quem só gosta dos experimentais, off e off off Broadway, não o valoriza tanto assim e até chama suas peças de teatrão.

Mesmo nesse caso, talvez não devesse deixar de ir ao Teatro Folha para assistir Estranho Casal, ainda que já tenha visto no cinema ou no teatro. A direção de Celso Nunes é perfeita e não é à toa. Afinal o grupo do Celso, o Pessoal do Vitor, ficou famoso nos anos 1970, pois foi dos primeiros a montar texto surrealista. Esteve na vanguarda dos anos 1970 e hoje, como todos nós com o tempo, ficou mais convencional, quando as inovações são incorporadas por todos. Além da brilhante carreira de encenador, foi quem fundou o Departamento de Artes Cênicas da Unicamp, aposentado, virou Rolfista,  ou seja, terapeuta corporal. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,
06/01/2010 - 15:47

Carmo Dalla Vechia e Edson Fieschi abrem o ano do Teatro Folha com comédia de Neil Simon

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michelfernandes@superig.com.br)

Carmo Dalla Vechia e Edson Fiesch formam um <i>Estranho Casal</i>

Carmo Dalla Vechia e Edson Fiesch formam um Estranho Casal

Autor do texto de  Sweet Charity, tanto em sua versão para os palcos quanto do roteiro cinematográfico (adaptação da peça), o norte-americano Neil Simon assina o texto Estranho Casal, protagonizado por Carmo Dalla Vechia e Edson Fieschi, cuja estreia nesta sexta-feira (8) às 21h30, abre a temporada do Teatro Folha em seu horário nobre.

Quem assina a direção é o decano Celso Nunes, criador do curso de Artes Cênicas da UNICAMP, que trocou o burburinho da agitada rotina dos artistas que vivem em metrópoles como São Paulo e Rio de Janeiro pelo sossego da paradisíaca Florianópolis, em Santa Catarina. Segundo ele relata à atriz Eliana Rocha, autora de sua excelente biografia da Coleção Aplauso, ele apenas deixa seu paraíso particular para dirigir peças que, realmente, conquistem sua atenção por um bom motivo.

Estranho Casal apresenta uma trama focada no retrato das dificuldades de convivência interpessoal. Oscar dá guarida ao amigo Félix em sua casa, já que esse acaba de separar-se. Félix, neurótico por ordem e limpeza, quase enlouquece, e a Oscar também, pela gritante diferença entre ambos, já que Oscar é despojado ao extremo de chegar ao desleixo. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo