Publicidade

Publicidade

12/07/2012 - 16:03

Um Número discute a clonagem humana e suas implicações

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Um Número" , até 22 de Julho no SESC Belenzinho

Com direção de Pedro Neschling, peça da dramaturga britânica Caryl Churchill traz a São Paulo o consagrado ator Pedro Paulo Rangel, que divide o palco com Pedro Osorio, em curta temporada no SESC Belenzinho

SÃO PAULO – A partir de um experimento científico, a clonagem humana, a dramaturga Caryl Churchill levanta questões intrínsecas do ser humano na peça Um Número, em cartaz no SESC Belenzinho.

Bernard, interpretado por Pedro Osorio, que sempre soube ser filho natural de Salter, brilhantemente vivido por Pedro Paulo Rangel, tem a terrível notícia de que há um número (incerto) de seres iguais a ele. A constatação de que houve a clonagem humana e ele mesmo pode não ser o original provoca uma reviravolta na vida entre pai e filho, com uma acalorada discussão sobre a natureza humana, ética, verdade e princípios, que deixa o espectador ligado na trama nos 60 minutos de duração do espetáculo. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , , , ,
09/11/2011 - 21:44

Lucélia Santos apresenta texto de Jô Bilac no SESC Belenzinho

Compartilhe: Twitter

Adriano Oliveira, especial para o Aplauso Brasil ( adriano@aplausobrasil.com)

Pedro Neschling dirige a mãe

SÃO PAULO – A atriz Lucélia Santos traz, a partir de sábado (12), Alguém Acaba de Morrer lá Fora, de Jô Bilac (cujos textos Serpente Verde, Sabor Maçã e Limpe Todo o Sangue Antes Que Suje o Carpete, estão concomitantemente em cartaz na cidade), no SESC Belenzinho, sob direção de Pedro Neschling, filho da atriz.

Uma comédia com toques de violência é a base da trama que apresenta três personagens, estranhos uns aos outros, que se encontram em um bar-café. Cada personagem está à espera de alguém. Cláudio (Ricardo Santos), um homem solteiro, em busca de um amor; Laura (Lucélia Santos), uma mulher misteriosa, espera acertar as contas com certo alguém prestes a chegar, e Marcela (Vitória Frate), professora de inglês frustrada com a vida, espera sua irmã.  Com o trio da peça, o autor deseja criticar a superficialidade das relações humanas.

A atriz Lucélia Santos conta ser em Alguém Acaba de Morrer lá Fora conta que será a primeira vez que ela e o filho se encontram no teatro. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , ,
13/12/2010 - 16:45

Provocando uma discussão sobre o Ministério da Cultura

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

E você? Qual a sua opinião? Como você vê o papel do Ministério Cultural? Como você avalia a atual gestão do MINC? O que está bom? O que precisa melhorar?

Pedro Neschling, o provocador

Sem nenhum interesse político e/ ou pessoal acerca do atual Ministro da Cultura, Juca Feirreira, proponho aqui uma discussão sobre os futuros rumos desejados pela classe artística a respeito da pasta ministerial de cultura. Para que a reflexão seja frutífera conto com a participação de você, leitor, deixando opinião ao final do texto.

Parto da inquietação sentida ao ler artigo de Pedro Neschling, para a Folha de São Paulo, em que critica um artigo escrito pelo cineasta e produtor Luiz Carlos Barreto, publicado no último dia 09 no mesmo jornal, em que o primeiro crítica a postura de Barretão, como é conhecido o cineasta, sobre a atuação reprovável de Juca Ferreira no Ministério da Cultura, além de colocar em dúvida o apoio da classe artística à continuidade do ministro na pasta cultural, o que Neschling prontamente refuta como representante da classe artística.

Destaco, mais uma vez, que não se trata nem de questão política, nem relacionada à gestão de Ferreira, mas relativo aos rumos seguidos e desejados frente à captação de recursos na produção de bens artísticos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo