Publicidade

Publicidade

04/04/2012 - 00:48

Saiba quem são os vencedores do Concurso Cultural – POR QUE QUERO ASSISTIR PINA 3D?

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

SÃO PAULO – Depois de uma difícil escolha, em que destaco trechos dos comentários à pergunta – Por que quero assistir Pina 3D? – que mereceu a escolha, parabenizamos aos ganhadores e pedimos para a retirada na portaria do iG, conforme e-mail enviado, de seu par de convites.

Denise de Lello Coutourké

Quero assistir Pina 3D porque ela é 3D: Deliciosa,Dadivosa,Divina!!!!

Maciel Patez

Quero ver Pina 3D, pois pra mim além de ser uma das pioneiras do teatro dança, mostra que um simples movimento é dança. Este filme é mais que uma homenagem, é um tapa na cara de muitos que denominam a dança apenas como clássica, e não outra linguagem. Todo movimento por mais simples que seja é Dançar.Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema Tags: , , , ,
25/03/2012 - 20:33

Pina Bausch no Cinema: Encruzilhada Onírica de Linguagens

Compartilhe: Twitter

Macksen Luiz, especial para o Blog do Macksen Luiz , parceiro do Aplauso Brasilmacksenr@gmail.com)

"Dance, Dance, Senão Estaremos Perdidos", Pina Bausch

SÃO PAULO – O documentário de Wim Wenders sobre as criações de Pina Bausch é bem mais do que o registro das coreografias de uma das artistas mais instigantes do século 20. Pina 3D, filme de 130 minutos, que utiliza o 3D para aproximar o espectador da pulsão de gestos, que expressam feixe de tensões dramáticas num cenário de sentimentos em permanente fricção, justifica a definição da fundadora da companhia de Wuppertal de que seus bailarinos dançavam o teatro, teatralizavam a dança.

Na captação das imagens de coreografias e de depoimentos de membros da companhia e, mais parcamente, da própria Pina, Wenders é econômico nas palavras. Os closes e o olhar invadem, tridimensionalmente, a tela, como se a platéia pudesse penetrar na cena, perceber suores, ouvir arfares, acompanhar ritmos retirados de mãos batidas nos corpos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, Dança, Música e Cinema Tags: , , , , , , , , , , , ,
15/03/2012 - 18:45

Você quer assistir Pina 3D de graça?

Compartilhe: Twitter

Quer assistir "Pina 3D" de graça?

SÃO PAULO – A partir de amanhã o filme Pina 3D, de Wim Wenders para Pina Bausch, um dos mais aguardados pelos apaixonados pelo trabalho da coreografa alemã que deixou indelével marca no universo da dança-teatro mundial, que morreu precocemente (1940-2009) deixando um legado de disciplina, qualidade e afeto, captados com extrema sensibilidade pelas lentes, em  tecnologia 3D, de Wim Wenders, como podemos sentir ao assistir os emocionados e emocionantes depoimentos dados ao longa.

E você quer convites para assistir Pina 3D? Para concorrer à convites responda nos comentários dessa nota “Por que quero ver Pina 3D?” e deixe um e-mail para ser contatado caso sua frase seja sorteada.

Você pode também enviar sua resposta vi twitter @aplausobrasil .

Para saber mais sobre Pina 3D CLIQUE AQUI.
<a href="“>

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema, Multimídia Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
18/04/2011 - 14:19

Ritual de Pina Bausch na Temporada de Dança 2011 do Teatro Alfa

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Regina Advento em cena de "Água"

Escrever sobre as repetições de ações e movimentos, muitos deles circulares explodindo a cada performance dos bailarinos, a elegância dos figurinos criados por Marion Cito, a justeza sóbria da cenografia de Peter Pabst não são necessariamente novidades na linguagem dos espetáculos que Pina Bausch deixou em seus quase 40 anos como coreógrafa (seu primeiro trabalho assinado, Fritz, é de 1973), entretanto em Ten Chi (espetáculo de 2004, em co-produção com Saitama, cidade ao sul do Japão) se torna evidente a dimensão ritualística das cenas da peça.

Regina Advento, bailarina brasileira que está, há anos, na Pina Bausch Wuppertal Tanztheater, integrante do elenco de Ten Chi, conta que visitou locais como uma fábrica de fazer biscoito japonês, pessoas que confeccionavam bonecas em casa,fábrica de macarrão japonês e saquê, e que “tudo isso é feito à mão, faz parte de um ritual. Mesmo com toda a tecnologia disponível a estrutura tradicional da família é importante, inclusive, como parte da economia daquele povo e isso, para mim, é símbolo de ritual”.

Ainda como parte da pesquisa para a composição do espetáculo, a trupe viajou de Saitama para uma ilha, também ao sul do Japão, onde havia uma festa popular de rua, ali, Regina livrou-se da imagem estereotipada de que o japonês é um indivíduo hermético, extremamente reservado. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Dança, Música e Cinema Tags: , , ,
13/04/2011 - 16:18

Coreografia inédita de Pina Bausch inicia Temporada de Dança 2011 do Teatro Alfa

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Ten Chi" - Eddie Martinez, Azusa Seyama, Fernando Suels - UrsulaKaufmann

A Temporada de Dança 2011 do Teatro Alfa começa mais cedo, nesta quinta-feira (14), por um excelente motivo: receber a Pina Bausch Tanztheater Wuppertal, uma das maiores companhias do mundo, um nome mágico no mundo das artes e da cultura. Com 38 integrantes entre bailarinos e técnicos, o grupo fundado por Pina Bausch em 1973, retorna ao Teatro Alfa pela quinta vez, desde 2000, para apresentar Ten Chi (Céu e Terra), coreografia inédita no Brasil, criada no Japão em 2004, fruto da residência da coreógrafa naquele país. Ten Chi terá cinco apresentações até domingo (19).

O espetáculo é o último de uma série que pode ser chamada de relatos de viagem coreografados – obras fortemente influenciadas e inspiradas na cultura da localização geográfica de sua criação. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema Tags: , , , , , , , ,
09/03/2011 - 23:11

Cia. de Pina Bausch inicia “Temporada de Dança 2011″

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

"Ten Chi" é o primeiro espetáculo da"Temporada de Dança de 2011""

Em junho de 2009, o universo da dança perdeu Pina Bausch, figura de proa da dança-teatro contemporânea, e, mesmo assim, em setembro do mesmo, a Pina Bausch Wuppertal Tanztheater apresentou Café Müller e A Sagração da Primavera, dois espetáculos de seu repertório que estiveram em 1978 em solo nacional. Agora, a Temporada de Dança 2011 do Teatro Alfa abre em abril com a apresentação de Ten Chi, espetáculo que desde 2004 está no repertório da cia. de Wuppertal.

Além do espetáculo que Pina Bausch criou em homenagem ao Japão, da série de espetáculos em homenagem à diferentes culturas e países, esse será o ano da estreia de novos trabalhos d trupes consagradas como o Grupo Corpo, cujo trabalho, ainda sem nome, terá trilha originalmente composta por José Miguel Wisnik em parceria com o galego Carlos Nuñez,e, também, reapresentará O Corpo, de 2000, com música de Arnaldo Antunes. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema Tags: , , , , , , , ,
22/06/2010 - 21:40

FILO 2010: Kabul impacto com excesso de virtuosismo

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso  – à convite do FILO – Festival Internacional de Londrina

michel@aplausobrasil.com)

"Kabul", espetáculo da Amok Teatro

Por um lado temos um impacto, sem qualquer concessão, com os horrores cotidianos sofridos pelos afegãos sob a égide do regime Talibã, derrubado em outubro de 2001 pela Otan, em Kabul (RJ/ 2009) apresentado pela companhia carioca Amok Teatro; por outro, o espetáculo se torna cansativo e previsível com o acento excessivo no virtuosismo técnico dos intérpretes.

A vida de dois casais afegãos, vivendo sob o rigoroso e miserável regime imposto pelos Talibãs, em 1997, serve de pano de fundo para que se deflagre a estupidez do fanatismo, das incoerências da guerra, da demarcação entre os sexos masculino e feminino, entre outros. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , , ,
23/09/2009 - 18:10

Um grande artista atinge a eternidade em sua obra

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo (michel@aplausobrasil.com)

Pina Bausch em <i>Café Müller</i> (1978)

Pina Bausch em Café Müller (1978)

 

Artistas são imortais? Nem todos, apenas aqueles cuja alma transborda em sensibilidade e, assim, deixam um rasto de magnitude que embevecem almas extemporâneas às criações artísticas que deixam como legado às futuras gerações. Com tal arrebatamento e certeza de que ,mesmo morta tão jovem (68 anos apenas), Pina Bausch permanecerá eterna em sua arte, ficamos ao assistirmos tão belo programa – Café Müller e A Sagração da Primavera – apresentado na Temporada de Dança 2009 do Teatro Alfa.

Há algo de muito interessante nessa dupla de espetáculos que compõem essas duas coreografias que nos são apresentadas, Café Müller, criação de 1978, para seis bailarinos, e A Sagração da Primavera, de 1975, dançada por 42 bailarinos.

Até mesmo por sua cenografia claustrofóbica (Rolf Borzik) – um café cinzento e repleto de cadeiras. Parece fechado há tempos e, portanto, empoeirado e abandonado -, Café Müller evoca um aspecto mais apurado teatralmente em sua concepção. Quando de sua criação, em 1978, Pina Bausch, entre outros temas, queria discutir a questão do afastamento que as pessoas se entregavam, sem, ao menos, saber por que usam os movimentos. E, assim, ela uniu seis bailarinos “presos” naquele café, exteriorizando em movimentos bastante discretos, isentos de coreografia evidente, obrigados a se aproximarem e a relacionar-se. A coreografia quase isenta, com uso de diversos símbolos representativos e as repetições que delineiam todo o seu trabalho, como tão bem explicita Ciane Fernandes em seu livro Pina Bausch e o Wuppertal Dança-Teatro, além dos espasmos evocados pelas sensações interiores que o âmago dos personagens, prenhes de lembranças de seus criadores originais, transpiram em movimentos nos bailarinos-intérpretes.

Já em A Sagração da Primavera, a atmosfera primitiva da lenda russa que inspirou Igor Stravinski a criar essa magnífica obra de força indiscutíveis, Pina coloca em cena, sobre um palco de lama que, aos poucos, mescla-se aos corpos dos 42 bailarinos, um ritual de oferenda ao deus da primavera que, em troca da imolação de uma aldeã, garante à aldeia farta colheita. Estamos diante de uma orquestra de corpos em movimentos eletrizantes a nos aproximar do mais primeiro estágio de nossos instintos. E um deles, nosso primeiro deles, o instinto vital, é negado a uma das jovens: para o bem da aldeia ela terá de morrer. E o conflito avoluma-se a partir daí. E somos encantados por esse ritual. Nos identificamos nessa busca pela sobrevivência e quando a luz se apaga no palco, outra se acende em nosso pensamento. E ela diz, bem alto. SIM, PINA É ETERNA!

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Dança, Música e Cinema Tags: , , , , , ,
21/09/2009 - 13:16

Começam hoje apresentações extras da companhia de Pina Bausch

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, especial para o Último Segundo  (michel@aplausobrasil.com)

sagração

Em nosso calendário, amanhã (22) começa a primavera, estação do florir, do renascer. E a coreógrafa alemã, Pina Bausch, que, recentemente,  foi bailar em outra estação, renasce em suas duas criações que chegam, a partir desta segunda (21), ao palco do Teatro Alfa. São apresentações extras, pois Café Müller e A Sagração da Primavera, espetáculos que a Pina Bausch Tanztheater Wuppertal traz neste programa brasileiro, estavam com ingressos esgotados.

Coreografias que ocupam lugar privilegiado entre as melhores do século 20, Café Müller (1978), cuja cena inicial do filme Fale Com Ela, de Pedro Almodóvar, é um trecho em que a própria Pina aparece (ela que já brilhara em La Nave Va, de Fellini), traz seis bailarinos em um bistrô, memória de sua infância, quando observava os hóspedes do hotel de seus pais.

Já  A Sagração da Primavera, para 41 bailarinos, é considerada uma, de suas muitas, obra-prima. Criada em 1975 para música de Stravinski, a coreografia fala sobre o sacrifício de uma virgem para próspera colheita em sua aldeia.

CLIQUE AQUI para ler um artigo de Ciane Fernandes, para a revista O Percevejo, sobre Pina Bausch.

 

PINA BAUSCH TANTZTHEATER WUPPERTAL no TEATRO ALFA – SERVIÇO

 

Local: Teatro Alfa (R. Bento Branco de Andrade Filho, 722 – tel. 5693.4000)

 

Datas: dias 21 e 22 de setembro (INGRESSOS À VENDA) e 24 a 26 de setembro (INGRESSOS ESGOTADOS)

 

Horários: segunda, terça, quinta e sábado, 21h | sexta, 21h30

 

Preços: Setor I e II = R$ 200,00 – Setor III= R$ 100,00 – IV = R$ 40,00

 

Lotação: 1110 lugares

 

Duração: 80 minutos (mais intervalo de 15 minutos)

 

Classificação etária: 12 anos

 

Estacionamento: Valet = R$ 20,00 – Self = R$ 12,00  

 

Como Comprar:

Os ingressos dos espetáculos promovidos pelo Instituto Alfa de Cultura no Teatro Alfa estarão à venda sempre com 15 dias de antecedência.

 

Por Telefone: 5693-4000 e 0300-789-3377 (Serviço exclusivo do Teatro Alfa)
Venda efetuada com cartões de crédito (Amex, Visa, MasterCard e Diners Club), de segunda à sábado das 11h às 19h e domingos das 11h às 17h. Em dias de eventos até 1 (uma) hora antes do início dos mesmos. Os ingressos poderão ser retirados no próprio teatro no dia do espetáculo.

 

Ingresso Rápido – 4003.1212 – www.ingressorapido.com.br

 

Pessoalmente – Bilheteria do Teatro Alfa:

Venda efetuada com cartões de crédito (Amex, Visa, MasterCard, Diners Club), cartões de débito (Visa Electron e Redeshop) ou dinheiro, de segunda à sábado das 11h às 19h e domingos das 11h às 18h. Em dias de eventos até o início dos mesmos.

 

Site: www.teatroalfa.com.br

Autor: - Categoria(s): Dança, Música e Cinema, Matérias Tags: , , , , , , ,
Voltar ao topo