Publicidade

Publicidade

08/09/2012 - 16:31

O desespero da incerteza do porvir é o centro de O Salão de Baile Elétrico

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil/ iG (Michel@aplausobrasil.com)

Peça do irland^s Enda Ealsh

SÃO PAULO – Chega a causar certa vertigem os longos solilóquios, repletos de detalhes, que são disparados num ritmo que só preserva espaços para a respiração necessária para que os atores de Salão de Baile Elétrico, em cartaz apenas às sextas e sábados no Auditório SESC Pinheiros, consigam   transmitir claramente as palavras criadas por Enda Walsh. Ao dirigir com a simplicidade desejável para dar à luz a poesia do texto interpretada com talento indiscutível, Cristina Cavalcanti desnuda o desespero ansioso do porvir incerto.

São três irmãs que dividem o mesmo teto, sendo que as duas mais velhas – Breda (Angela Barros) e Clara (Lilian Blanc), ambas em interpretações viscerais, a sobrevoar entre o drama, o patético, a volúpia, entre outras paixões, com vigor e talento –  compartilham o trauma da frustração de um relacionamento amoroso não efetivado. O medo ou covardia faz com que ambas permaneçam confinadas na casa revivendo os fatos ocorridos no baile elétrico que motivou suas exclusões do convívio com o tempo real que são compartilhados com Ada (Andréa Tedesco, em excelente interpretação). Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas, DESTAQUE, MICHEL FERNANDES RECOMENDA Tags: , , , , , , , ,
01/02/2012 - 16:21

Álamo Facó estreia monólogo em SP

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Álamo Facó é dirigido por César Augusto

SÃO PAULO – Sob direção de César Augusto, da Cia dos Atores, o ator Álamo Facó traz ao Auditório do SESC Pinheiros, a partir desta sexta-feira (3), 20h, o monólogo Talvez, com texto de sua autoria.

O espetáculo mostra Dário, personagem que decide trancar-se em casa até que sua mulher volte de viagem. O que começa como uma simples promessa, ganha proporções inesperadas já que ele está disposto a levar seus pactos ao limite. Apenas o computador está ligado e, assim, se inicia uma curiosa relação com os espectadores.

Os dias passam e Dário não está disposto a voltar atrás. Sua capacidade de introspecção e esquizofrenia transforma a sua realidade num possível “talvez”. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Notas e Oportunidades Tags: , , , , , , ,
16/11/2011 - 22:26

Monólogo sobre Síndrome do Pânico estreia no SESC Pinheiros

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Gabi Brites atua e escreveu "Nariz Pra Fora D’água"

SÃO PAULO – Uma atriz sentada de costas para o público. Durante o espetáculo ela vai se revelando, na medida em que se torna capaz de enfrentar o olhar direto da plateia. A atriz vê e conversa com o público por dois monitores e terá seu rosto projetado nas próprias costas. Com essa mescla de teatro e vídeo, o monólogo Nariz Pra Fora D’água estreia nesta sexta-feira (18), às 20 horas, no Auditório do SESC Pinheiros. A montagem, com atuação e texto da atriz e cineasta Gabi Brites, tem direção de Georgette Fadel e foi contemplada com o Prêmio Funarte Myriam Muniz 2010.

Em Nariz Pra Fora D’água, a personagem relata sua dificuldade de exposição aos olhos do mundo. Ela não se sente apta a encarar o público, embora ela saiba que o tenha que fazer. Por isso o espectador pode assistir às cenas – que a atriz não tem a priori, coragem de revelar – mediadas pela tela “protetora” da lente de uma câmera.

Envolvida com o universo teatral desde pequena, a atriz Gabi Brites morava no Rio de Janeiro e estava trabalhando em um espetáculo quando teve Síndrome do Pânico.

“Isso foi há nove anos. Como não tinha mais condições de subir no palco, larguei tudo e virei publicitária”, conta ela, que depois de um tempo achou que deveria compartilhar o assunto com outras pessoas. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
22/09/2011 - 14:37

Fique de olho: A Serpente no Jardim volta à capital

Compartilhe: Twitter

Humor negro e suspense são ingredientes em peça de autor britânico

A Serpente no Jardim, um dos textos mais conhecidos de Alan Ayckbourn, dramaturgo inglês contemporâneo com extensa e polêmica obra teatral, sob direção de Alexandre Tenório (Blackbird), volta a São Paulo no dia 26 de outubro (quarta-feira), 21h, no Auditório do  SESC Pinheiros.

No enredo, a história de duas irmãs devastadas pelos abusos da família, por suas conturbadas relações afetivas e pela conseqënte inabilidade de interagir com a realidade.

Elenco formado por Alejandra Sampaio, Cristina Cavalcanti e Lavínia Pannunzio.

Venda de ingressos na rede INGRESSOSESC.

Não recomendado para menores de 16 anos
R$ 8,00 (inteira); R$ 2,00 (trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes).

Autor: - Categoria(s): Notas e Oportunidades Tags: , , , , ,
01/02/2011 - 14:41

Peça traz morte como tema central

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, colunista colaborador do Aplauso Brasil

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone, parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Sob direção de Leonardo Medeiros, peça traz Karin Rodrigues, Alessandra Negrini, Joaquim Lopes e Edson Montenegro nos papéis centrais

Se há algo de certo nessa vida é a morte. Por mais que todos saibam dessa máxima, poucos lidam

Elenco de "A Senhora Dubuque"

bem ou enfrentam essa verdade. O dramaturgo norte-americano Edward Albee tem a morte como tema em várias de suas peças e, em A Senhora de Dubuque, — texto inédito no Brasil que acabou de estrear no SESC Pinheiros, Teatro Paulo Autran—, novamente tem a finitude humana como centro da discussão.

Sob a direção do ator Leonardo Medeiros, a peça inicia com o casal Jo e Sam, vividos por Alessandra Negrini e Joaquim Lopes, recebendo em sua casa dois casais de amigos. Cansados do joguinho de adivinhações e com o nível alcoólico bem elevado, vêm à tona as desavenças, intrigas e conflitos entre eles. Jo, que está seriamente doente, não tem papas na língua e solta todas as verdades e venenos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,
09/11/2010 - 18:05

Ney Matogrosso: o poeta da voz

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Ney Matogrosso em terno de Ocimar Versolato para o show "Beijo Bandido"

Em show de seu 29º trabalho solo, “Beijo Bandido”, Ney Matogrosso revela, mais uma vez, a diferença entre cantar e a arte da interpretação, o que fica evidente em sua performance, com alta voltagem dramática, no show que encerra temporada popular no próximo domingo (14), no Teatro Paulo Autran (SESC Pinheiros). Ao dedilhar cada sílaba das canções que interpreta, ele atinge uma arte outra. Ney é uma espécie de poeta da voz.

Herivelto Martins, Cazuza, Geraldo Azevedo, Vítor Ramil, Chico Buarque e Edu Lobo, Roberto e Erasmo Carlos, Luís Bonfá, Herbert Vianna e Paula Toller, entre outros nomes, figuram na lista dos compositores que oferecem farta riqueza para Ney interpretar e, também, para os estupendos arranjos criados por Leandro Braga, que dosam com inventividade e beleza ímpar.

Braga conjuga em seus arranjos sonoridades populares a eruditas, utilizando para isso instrumentos como violão e violoncelo (Lui Coimbra), violino e bandolim (Ricardo Amado), percussão (Felipe Roseno), além do piano que ele mesmo toca. São esses talentosos músicos que acompanham Ney Matogrosso em cena garantindo prazer total a quem confere o show. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas, Dança, Música e Cinema, Multimídia Tags: , , , , , , , ,
21/10/2010 - 19:51

SESC Pinheiro apresenta “Rancor – Farsa Intelectual” de Otavio Frias Filho

Compartilhe: Twitter

Adriano Oliveira, especial para o Aplauso Brasil (adriano@aplausobrasil.com)

O ator Roney Facchini

SÃO PAULO – O SESC Pinheiros apresenta a partir desta sexta-feira (22) o espetáculo teatral “Rancor – Farsa Intelectual”. A peça aborda os conflitos de uma redação de jornal. O texto é de Otavio Frias Filho e a direção fica por conta de Ivan Feijó.

A trama tem como cenário a redação de um jornal para a discussão em torno da indústria cultural. O ambiente de uma grande cidade do 3º mundo é dominado por Berucci, o mestre da crítica que exerce seu poder intelectual de modo implacável.

O estopim do drama é a rebelião da jornalista Dada com o escritor Leon e o jovem poeta Nestor, contra o domínio do velho crítico.

O ator Nilton Bicudo

Os personagens travam duelos verbais que culminam numa devastação sem piedade, mas que deixa atrás de si a possibilidade de alguma esperança.
A estrutura da narrativa do espetáculo acontece num ambiente sem tempo determinado, mas que serve para exibir uma luta de egos e vaidades. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo