Publicidade

Publicidade

09/04/2012 - 18:54

Nova peça dirigida por Darson Ribeiro estreia no SESC Consolação

Compartilhe: Twitter

Henrique Ponzi em "Abrigo" - foto de Eliana Souza

Abrigo, texto do estreante Raphael Ramos, inicia temporada, dentro do Projeto Primeiro Sinal, logo mais no Espaço Beta do SESC Consolação

SÃO PAULO – O ator pernambucano Henrique Ponzi recebeu o convite para protagonizar o solo Abrigo, texto do jovem autor Raphael Ramos sob direção de Darson Ribeiro, cuja estreia será às 21h de hoje, no Espaço Beta do SESC Consolação, dentro do Projeto Terceiro Sinal (que objetiva apresentar artista ainda com pouca experiência).

Abrigo é o espaço onde se deflagra o embate das personagens (Velho, Moço e Ela), com suas memórias, emitidas por um único interlocutor. Este ator em cena emerge da sombra para a revelação de tensões numa busca incessante do humano – do ter alguém para “abrigar-se” ou do simples e eficaz dar “abrigo”. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Notas e Oportunidades Tags: , , , , , , , , ,
07/09/2010 - 03:24

FilTE Bahia 2010 reúne grandes nomes do teatro mundial em Salvador

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

"Falso Testemunho", da BoanDanz Action abre o FilTE Bahia 2010

Chega a sua terceira edição, o Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia (FilTE Bahia) com a missão de incluir Salvador na rota dos festivais de teatro contemporâneo. Com esmerada programação que, além de espetáculos nacionais e internacionais, ações educativas, lançamento de livro, a presença do diretor Eugenio Barba e do grupo Lume são selos de seriedade e excelência do festival que começa nesta quinta-feira (9) e vai até o dia 19.

A BoanDanz Action, companhia sediada em Filadélfia (Estados Unidos) e criada pela coreógrafa cubana, Marinela Boan, abre o FilTE Bahia 2010 com a apresentação de Falso Testemunho, na sala principal do Teatro Castro Alves, 20h, com entrada franca. A fundadora da companhia nomeia seu trabalho como “Dança Contaminada”, uma mistura de dança, vídeo e música ao vivo.

Nesses 10 dias de festival, com direção artística do cubano Luis Alberto Alonso, direção de produção de Rafael Magalhães, estão programadas mais de 50 atividades Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
05/07/2010 - 18:09

Dzi Croquettes chega aos cinemas

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Dzi Croquettes, os internacionais

“Eu não sabia direito o que eles eram. Na minha visão de criança eles eram palhacinhos”. Estas são as falas iniciais do documentário sobre o revolucionário grupo de teatro-dança Dzi Croquettes – O Documentário, dirigido por Tatiana Issa e Raphael Alvarez que, felizmente, chega, agora, dia 16 de julho aos cinemas brasileiros.

Tatiana criou o filme a partir de sua memória afetiva. Quando criança ela, junto de seu pai, o cenógrafo Américo Issa, conviveu com a trupe.  Portanto, recuperar a história da companhia é, também, recuperar a história de Américo, que foi um cenógrafo importante do teatro brasileiro.

O Dzi Croquettes era formado pelos seguintes artistas: Lennie Dale, Wagner Ribeiro, Cláudio Tovar, Cláudio Gaya, os irmãos Rogério de Poly e Reginaldo de Poly, Bayard Tonelli, Paulo Bacellar, Benedictus Lacerda, Carlos Machado, Eloy Simões, Roberto Rodrigues e Ciro Barcelos. Essa foi a formação original do grupo. Depois, nomes como Dario Menezes, Fernando Pinto e Jorge Fernando farão parte da companhia.

Deles, estão vivos apenas Tovar, Reginaldo, Bayard, Benedictus, Ciro, Jorge e Dario. Isso foi um dos fatores que dificultou o trabalho de Tatiana e Raphael para a realização do filme, a falta de material sobre as encenações do grupo e a ausência da maior parte dos seus integrantes.

No livro Ela é Carioca, o escritor Ruy Castro fala de uma maldição que aconteceu ao grupo, o fato de a maior parte dos integrantes terem morrido precocemente.

Eles surgiram no momento mais violento do regime militar brasileiro. A obra de Tatiana e Raphael contextualiza bem essa época com depoimentos de Ney Matogrosso, Aderbal Freire Filho, Elke Maravilha, entre outros. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Dança, Música e Cinema Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
17/02/2010 - 15:05

Grande estreia!!!!!!!!

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil

Lúcia Veríssimo e Raphael Viana em USUFRUTO

Lúcia Veríssimo e Raphael Viana em USUFRUTO

Será que Usufruto é mesmo a primeira peça que Lúcia Veríssimo escreveu? Fui até olhar se ela é filha dos Veríssimos do Rio Grande do Sul (Érico ou Luiz Fernando), mas não, ela nasceu no Rio de Janeiro (pai paraibano). Sua competência como dramaturga estreante provavelmente se alicerça na sua enorme experiência como atriz de teatro, cinema e TV.  É surpreendente!

Tudo se passa no interior de um apartamento ainda acabando de ser construído e que já tem dois compradores interessados: uma mulher (a própria autora) e um homem em vias de casar-se (Raphael Viana). Além do conflito imobiliário, passam a discutir posturas de vida e experiências amorosas, num papo de uma atualidade não muito comum em nossos palcos. É imperdível. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , ,
Voltar ao topo