Publicidade

Publicidade

30/08/2011 - 22:32

Confira galeria de fotos de As Bruxas de Eastwick

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Maria Clara Gueiros e Sabrina Korgut em "As Bruxas de Eastwick"

Um musical cheio de números coreografados magnificamente por Alonso Barros, figurinos deslumbrantes de Marcelo Pies e atuações vigorosas de Sabrina Korgut e Eduardo Galvão são ingredientes que, juntamente com os efeitos especiais, fazem explodir a nova produção da Time For Fun, As Bruxas de Eastwick, que leva a assinatura de Charles Möeller e Cláudio Botelho, em cartaz no Teatro Bradesco.

CONFIRA AS FOTOS

[slideshow id=42]

LEIA TAMBÉM

Sabrina Korgut é uma d’ As Bruxas de Eastwick

Autor: - Categoria(s): GALERIA DE FOTOS, Notas e Oportunidades Tags: , , , , , , , , , , , , ,
03/11/2010 - 18:49

“Dos Escombros de Pagu” celebra centenário de Patrícia Galvão

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Renata Zanetha é Pagu

Para comemorar os 100 anos de Patrícia Galvão, peça de Tereza Freire faz um passeio pela carreira da jornalista, escritora e ativista política

Teatro é mesmo uma arte coletiva. Mesmo que seja um monólogo, como “Dos Escombros de Pagu”, em cartaz no Teatro Eva Herz, a montagem atual é o resultado do sonho inicial de três pessoas, Tereza Freire, Roberto Lage e Renata Zhaneta, autora, diretor e atriz do espetáculo.

No entanto, esse sonho inicial, o de fazer uma homenagem aos 100 anos de nascimento de Patrícia Rehder Galvão, a Pagu, escritora, jornalista e principalmente a humanista, que lutou durante toda a vida contra a opressão e a desigualdade, se transformou nesse espetáculo delicado e emocionante, que reúne uma equipe brilhante como Wagner Freire (iluminação), Heron Medeiros (cenário), Gilda Bandeira de Mello (figurino) e Aline Meyer, que une a poesia de Caetano Veloso e a emoção de Edith Piaf na trilha sonora!
Mais do que o mito ou a musa do movimento antropofágico de Oswald de Andrade, a Pagu que se vê no palco pela tocante composição de Renata Zhaneta é uma mulher de 52 anos (a idade em que a homenageada morreu, em 1962) que revisita sua existência e escancara suas fragilidades, fraquezas, opções e escolhas diante da vida. Da garotinha que já se sentia diferente e alheia às brincadeiras infantis, à adolescente transgressora e ao mesmo tempo inocente; da militante comunista à presa política. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
20/10/2010 - 17:50

Pagu sai dos escombros

Compartilhe: Twitter

Pagu: uma mulher bem à frente de seu tempo

Crítica da peça “Dos Escombros de Pagu”, de Michel Fernandes, escrita especialmente para o jornal Diário de São Paulo

Publicada na edição impressa de domingo (18)

Cem anos de Pagu. Sim, mas quem é Pagu? Não, não participou da Semana de Arte Moderna de 1922. Eterna vanguardista, quebrou tabus sociais e sexistas, crítica teatral e literária participou do Movimento Antropofágico, do qual foi musa, militou no Partido Comunista etc. Contudo, demorou cem anos para que seu nome, efetivamente, saísse do limbo dos achismos e exalasse o perfume da liberdade que seguiu com veemencia, mesmo que para isso pagasse alto preço do desprezo sócio-político. Pagu ressurge no solo “Dos Escombros de Pagu” que está em cartas às quartas e quintas no Teatro Eva Herz.

Tereza Freire adaptou a própria dissertação de mestrado sobre Patrícia Galvão, a Pagu, mas não há rastro de academicismo. A linguagem narrativa coloca Pagu (em excelente composição de Renata Zanetha) a recordar fatos marcantes de sua vida – sua adolescência incomum (fumava, relacionou-se, inclusive sexualmente, com um homem mais velho e casado.); sua ligação com o Movimento Antropofágico criado por Oswald de Andrade, com quem se casou e foi mãe de Rudá, seu primeiro filho; sua militância que a levou a distanciar-se do crescimento de Rudá; sua decepção com a militância política; o retorno à vida doméstica participando, mais ativamente, da criação de Geraldo Galvão Ferraz, seu filho com Geraldo Ferraz (seu segundo marido), e à Santos onde é destacável sua ajuda aos grupos teatrais amadores.

Roberto Lage, quem assina a direção e a produção do espetáculo, valorizou a contenção em lugar de invencionices de encenação. Acerta, inclusive, na escolha do Teatro Eva Herz, com seus 166 lugares, dando o desejável toque intimista ao espetáculo. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Críticas Tags: , , , , , , ,
08/09/2010 - 14:26

Renata Zanetha é Pagu

Compartilhe: Twitter

Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrail.com)

O monólogo "Dos Escombros de Pagu" celebra o centenário de Patrícia Galvão

Patrícia Rehder Galvão, a Pagu, um dos ícones femininos mais importantes da história brasileira, completaria 100 anos de idade, caso estivesse viva, e para celebrar a data, o diretor teatral Roberto Lage, a atriz Renata Zhaneta e a escritora e historiadora Tereza Freire uniram-se com o objetivo de realizarem um sonho antigo. Essa soma resultou na concretização da peça Dos Escombros de Pagu, que estreia hoje no Teatro Eva Herz.

“Há muito tempo, a Tereza me entregou um ótimo texto que falava sobre essa mulher maravilhosa, incrível e que, infelizmente, foi execrada por um grande período. Depois disso, reacendeu uma vontade antiga (desde 1972) de realizar uma peça sobre essa mulher, por quem tenho uma grande admiração”, conta Lage. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
24/06/2010 - 16:48

Daniel Dantas e Renata Sorrah protagonizam Macbeth

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Renata Sorrah e Daniel Dantas protagonizam "Macbeth"

Quando Macbeth, tragédia de William Shakespeare sob direção de Aderbal Freire-Filho, esteve no último Festival de Curitiba, por engano de redação do guia que traz as peças participantes do Festival, a peça apareceu como Lady Macbeth. Mesmo sem o “Lady” do título, o espetáculo que estreia amanhã no Teatro Paulo Autran (SESC Pinheiros), protagonizado por Daniel Dantas e Renata Sorrah, traz interpretação inesquecível da atriz.

No caminho de volta para casa, ao lado de Banquo (Thelmo Fernandes), vencedor de uma batalha em que comandava o exército, Macbeth (Daniel Dantas) encontra três velhas feiticeiras (Andrea Dantas , Edgard Amorim e Felipe Martins) que predizem seu futuro: será o novo rei.

Ao chegar em casa, conta sobre a previsão à esposa, Lady Macbeth (Renata Sorrah), que começa a convence-lo à matar o Rei Duncan (Camilo Bevilacqua) e apressar o destino tornando-se rei. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , ,
29/04/2010 - 16:46

A história da stripper Gypsy em mega-produção da dupla Möeller & Botelho (RJ)

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Adriana Garambone é a stripper Gypsy Rose Lee em GYPSY

Um musical assinado pela dupla Möeller & Botelho, os Reis do Musical (título da biografia escrita por Tânia Brandão para a Coleção Aplauso), gera grandes expectativas aos fãs do gênero, vez que sua trajetória é, até aqui, exemplar. E nesta sexta-feira (30), no Teatro Villa-Lobos, será a vez de Gypsy, patrocinado pelo Bradesco Seguros e Previdência, ganhar a cena.

O texto de Arthur Laurents conta a trajetória de Louise (Adriana Garambone que surpreendeu como Roxie em Chicago) desde sua infância até tornar-se a stripper Gypsy Rose Lee.

Mamma Rose (Totia Meirelles) é a típica mãe que deseja fazer das filhas estrelas do show business. Viaja com as filhas para apresentações aos shows de variedades em busca do sucesso. O problema é que o gênero está em franca decadência. Nas suas andanças, Mamma conhece Herbie (Eduardo Galvão) que, além de seu amante, torna-se uma espécie de empresário que, também, não consegue emplacar a dupla. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , , , ,
13/10/2009 - 16:24

Neyde Veneziano estreia em Santos De Onde Vem o Verão

Compartilhe: Twitter

Luis Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com) 

Neyde Veneziano encena peça de Soffredini

Neyde Veneziano encena peça de Soffredini

 

Na semana em que o grande autor santista, Carlos Alberto Soffredini, comemoraria seus 70 anos, a cidade de Santos poderá assistir à estreia de um de seus textos mais premiados, De Onde Vem o Verão, dirigido pela, também santista, Neyde Veneziano.

Soffredini começou a produzir textos teatrais em 1967, em Santos, enquanto fazia teatro no TEFFI – Teatro Escola da Faculdade de Filosofia. Dentre suas obras memoráveis destacam-se O Pássaro do Poente, Na Carrera do Divino (que teve notável encenação de Paulo Betti com o Pessoal do Victor), Vem buscar-me Que Ainda Sou Teu, Mais Quero Asno que me carregue que Cavalo que me Derrube. Para a TV escreveu novelas como Brasileiras e Brasileiros. A partir da obra de Soffredini, Luis Alberto de Abreu e Luiz Fernando Carvalho criaram a mini-série Hoje é dia de Maria.

Segundo Neyde Veneziano, “Soffredini, ao lado de Nelson Rodrigues e Plínio Marcos, está entre os maiores dramaturgos do Brasil. Sua obra representa poeticamente o povo brasileiro, com suas crenças, seus costumes e até suas safadezas, em dias quentes de verão”.

 Para a diretora, “Soffredini levou para o teatro os seus vizinhos dos bairros santistas, tornando-os líricos e antológicos. A peculiar prosódia santista salpicada de frases estrambóticas surge nas deliciosas falas dos personagens como: “tu foi?…, tu viu?…, tu sabe como são as coisa?… bregada, viu?”

 De Onde Vem o Verão mostra a história de Marlene (Renata Soffredini), uma costureira de vestidos de noiva que vê, de sua janela, o mundo se modernizar. Ao lado da mãe (Laura Lavorato), Marlene passa a viver um grande conflito. Pela janela, ela conhece Natalino (Daniel Meirelis), um pedreiro da obra que está sendo construída na frente de sua casa. E Marlene se apaixona. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , , , , ,
Voltar ao topo