Publicidade

Publicidade

03/01/2012 - 15:06

Fábio Assunção volta como o cineasta de Woody Allen

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Fábio Assunção, Norival Rizzo e Carol Mariottini em"Adultérios", agora no TUCA

SÃO PAULO – Um dos melhores espetáculos da cena paulistana no ano passado volta ao cartaz dia 20 de janeiro no TUCA. Adultérios (cujo título original é Central Park West) é um dos textos que o cineasta Woody Allen escreveu diretamente para o palco. Inteligente, divertido e ligeiramente neurótico, como todo bom script com a assinatura de Woody Allen, a peça traz Fábio Assunção, Norival Rizzo e Carol Mariottini no elenco, tradução de Rachel Ripani, figurinos de Leopoldo Pacheco, direção e adaptação de Alexandre Reinecke.

O cenário é Nova York, como acontece na maioria das criações de Woody Allen. A comédia se passa à beira do Rio Hudson, mostrando o encontro entre o roteirista de cinema Jim Swain (Fábio Assunção), de recente sucesso; e um típico homeless (morador de rua) americano, Fred (Norival Rizzo). Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
02/07/2011 - 17:58

Fábio Assunção vive dois personagens em peça escrita por Woddy Allen

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Fábio Assunção (Fred) e Norival Rizzo (Jim)

Um escritor e um morador de rua (ou homeless para usar o termo original) são os personagens centrais de Adultérios (Central Park West), peça escrita pelo cultuado norte-americano Woody Allen, que estreia na próxima sexta-feira (8), 21h30, no Teatro do Shopping Frei Caneca. O ator Fábio Assunção divide com Norival Rizzo ambos personagens, em sessões alternadas.

Alexandre Reinecke, quem assina a direção e a adaptação da peça, traduzida pela atriz Rachel Rippani (que está excelente no musical Mamma Mia!, no Teatro Abril), teve a ideia de colocar a dupla de atores na pele dos dois personagens o que foi, prontamente, aceito pelos atores. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , ,
19/05/2010 - 14:35

Ultrapassados ou não?

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

O ator Celso Frateschi comemora 40 anos de carreira no monólogo "O Grande Inquisidor"

Alguns espectadores que saem do Teatro Bibi Ferreira discutem se A Dança Final está ultrapassada ou não. Tudo por conta do Viagra. Em primeiro lugar a peça em cartaz no momento, com as maravilhosas interpretações de Denise Weinberg e Norival Rizzo, foi escrita por Plínio Marcos em 1993 e re-escrita em 2002, para a primeira montagem dirigida por Kiko Jaez, onde se incluía o Viagra que o protagonista não podia tomar.

O espetáculo atual se baseia no texto de 1993 e não inclui o medicamento propositadamente, pois menciona que alguém do mesmo prédio não podia tomá-lo por ser diabético. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
28/10/2009 - 22:57

Não há rival em matéria de risos

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (mlcandeias@aplausobrasil.com)

 

Norival Rizzo é <i>O Homem das Cavernas</i>

Norival Rizzo é O Homem das Cavernas

 

Não é à toa que o ator se chama Norival Rizzo. No momento não há um espetáculo em cartaz – especialmente monólogo – mais divertido do que O Homem das Cavernas, do americano Rob Becker, que está em cartaz no Teatro Renaissance. É de morrer de rir.

 

 

Não só com homens e mulheres das cavernas, mas também com os homens de hoje em dia. O texto se dedica, principalmente, às diferenças entre masculino e feminino com acuidade excepcional. Impossível não se identificar com todas as mulheres descritas, nem deixar de reconhecer todos os homens que se conhece. É fora de série. Imperdível!!!!!!!

 A única pena é o horário alternativo, sábados às 23hs30. Os jovens baladeiros e notívagos adoram, mas para os mais coroas, eu juro que não vão se cansar de uma boemia extra, porque é demais.

 Além do intérprete maravilhoso, a direção de Alexandre Reinecke capricha em tudo. Mescla o monólogo com projeções (Cristine Lui) que apresentam figurinos belíssimos (Carol Mariotini) e não deixa Norival sossegar nenhum minuto, transitando em frente do cenário, diríamos cubista (Cenário Brasil), porque, como a peça, mescla primitivo e moderno.

 Impossível deixar de mencionar que Reinecke foi ainda responsável pela tradução que obviamente implicou em adaptações para o contexto brasileiro. E o resultado é que Rob Becker fica parecendo amigo de fé, irmão-camarada.

Apressem-se porque vai lotar.

O Homem das Cavernas Teatro Renaissance. Al. Santos, 2.233 – Cerqueira César – Oeste. Telefone: 2122-4241. Aceita os cartões Amex, Diners, MasterCard, Visa. Ingresso: R$ 50.

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , ,
Voltar ao topo