Publicidade

Publicidade

01/08/2012 - 23:29

Club Noir apresenta Sete Contra Tebas

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Sete Contra Tebas"

SÃO PAULO – A estreia da montagem faz parte do projeto PEEP CLASSIC ÉSQUILO, que objetiva encenar, até dezembro de 2012,todas as seis tragédias de Ésquilo, o primeiro autor da história do Teatro mundial. A direção e adaptação da obra são de Roberto Alvim. A estreia é na próxima sexta-feira (3). No elenco estão Fernando Gimenes,  Renato Forner, Frann Ferraretto, Gabriela Ramos e Bruno Ribeiro.

Sete Contra Tebas mostra a tentativa de invasão da cidade de Tebas por um exército comandado por sete guerreiros monstruosos. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , , ,
16/07/2012 - 17:15

Club Noir sedia Mostra Brasileira de Dramaturgia Contemporânea

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Juliana Galdino

SÃO PAULO – O projeto, com direção de Roberto Alvim, apresenta textos inéditos escritos por jovens autores brasileiros. A abertura será amanha (17), às 21 horas, com o texto de Luiz Felipe Leprevost, Hieronymus nas Masmorras. Na mesma ocasião será lançado o livro Dramáticas do Transumano, de Alvim.

Ao todo são oito peças, selecionadas por Alvim. Cada obra permanecerá em cartaz durante um mês e será encenada pelos atores Juliana Galdino, Renato Forner e Ricardo Grasson.

O objetivo é desenhar um panorama da produção dramatúrgica brasileira atual, a qual trabalha com temáticas e linguagens diversificadas. O projeto visa também contribuir para a descoberta de novas experiências estéticas que promovam novas maneiras de se pensar e fazer teatro.

Para o diretor, as oito obras confrontam o espectador com a reinvenção absoluta do mundo e do ser humano.

“Estas obras forçam os limites estabelecidos do teatro em direções insuspeitadas, ressignificando a atuação e a encenação na medida em que ressignificam nossa ideia acerca do que seja a humanidade”, diz Alvim. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , ,
19/06/2012 - 22:33

FIT – BH: Cacá Carvalho em novo Pirandello N

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, do www.mondobhz.com.br/fit-bh-2012, parceiro do Aplauso Brasil na cobertura do FIT- BH

Cacá Carvalhorepete parceria com Roberto Bacci

BELO HORIZONTE – Um nenhum cem mil é o último romance do autor Luigi Pirandello. O espetáculo, que tem direção do italiano Roberto Bacci e atuação do ator brasileiro Cacá Carvalho, já foi apresentado para amigos na Itália e fez a estreia nacional no FIT, no último fim de semana. O trabalho foi realizado com o apoio do Ministério da Cultura italiano e da produtora paulista Corpo Rastreado.

Vintangelo Moscardo, filho de um banqueiro, questiona a sua vida a partir de uma situação bizarra. Abandona tudo e funda um asilo, no qual trabalha cuidando das pessoas. Deixa de lado a sua identidade pública e vive no anonimato. A sua imagem social se modifica e as máscaras são deixadas de lado. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores, festivais Tags: , , , , , , , , ,
12/06/2012 - 18:23

Poesia de Dante inspira texto de Luis Alberto de Abreu

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Francesca", direção de Roberto Lage - foto de Bob Sousa

SÃO PAULO – Luis Alberto de Abreu nos conta no programa da linda peça Francesca – em cartaz às 21h de terças-feiras no Espaço dos Parlapatões -, escrita por ele depois de se emocionar com uma parte d’ A Divina Comédia, de Dante Alighieri, criada no final da idade Média e ainda antes do Renascimento. Quem assiste, também se envolve com a trama: casal de filho e nora que não obedecem às ordens amorosas do pai. E a gente se espanta com a semelhança entre nós e as personagens divididas entre emoções e leis, como acontecia na época descrita, há cerca de setecentos anos atrás. Há no texto lindíssimas  frases poéticas que Luis Alberto parece ter pinçado dos escritos de Dante, maravilhosas pela poesia e sabedoria a mostrar que continuam atuais. Não dá pra não ver.

Não bastassem os acertos de Abreu e Dante, a direção de Roberto Lage (com assistência de Paulo Jordão) é maravilhosa tanto na condução dos  dez atores (Tatyana Figueiredo,Márcio Bueno Dias, Renata Zhaneta, Maria do Carmo Soares, Ando Camargo, Marco Aurélio Campos, Fernando Petelinkar, Raquel Marinho, André Grecco e Rodrigo Ramos) que interpretam otimamente com destaque para Renata Zhaneta,  como na da encenação. E não é à toa. Cenografia Heron Medeiros, Figurinos Fábio Namatame, Iluminação Wagner Freire, música Paulo Herculano. Todos premiados. É simplesmente inesquecível, corra pra lá. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas, DESTAQUE Tags: , , , , , , , ,
25/05/2012 - 16:50

Caco Ciocler novamente é dirigido por Roberto Alvim

Compartilhe: Twitter

Redação do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Amante", livremente inspirado em romance de Marguerite Duras

SÃO PAULO – Pela terceira vez consecutiva, o ator Caco Ciocler sobe aos palcos sob direção de Roberto Alvim, do cletivo teatral Club Noir, em Amante, livremente inspirado na obra A Amante Inglesa, de Marguerite Duras. A produção que se apresenta no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de São Paulo até o dia 1º de julho é do Club Noir e traz no elenco, também, Juliana Galdino e Bruno Ribeiro.

Em Amante, uma mulher comete um assassinato e corta o corpo da vítima em pedaços. Para tentar esclarecer o fato, um investigador realiza entrevistas com o marido e a mulher. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , , , , , , ,
10/04/2012 - 20:27

Rodrigo Lombardi vive no palco o mito de Dom Juan

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

O ator Rodrigo Lombardi protagoniza clássico de Molière

Montagem do clássico de Moliére é assinada por William Pereira, responsável também pela cenografia e trilha sonora. No elenco, ao lado de Rodrigo estão Eduardo Estrela, Clarissa Kiste e Roberto Arduim entre outros

SÃO PAULO – Moliére há mais de 400 anos debruçou-se sobre o mito do sedutor e galanteador Dom Juan e não é por acaso que seu texto é um clássico até os nossos dias. Em tempos de conquistas pela internet e relações fugazes e descartáveis, nunca as artimanhas da conquista de um personagem tão elegante e sedutor como Dom Juan calam tão fundo nas plateias atuais.

No espetáculo Dom Juan, em cartaz no Teatro Raul Cortez, o ator Rodrigo Lombardi faz o personagem título, William Pereira assina a direção e o professor Jorge Coli foi o responsável pela tradução do texto de Moliére.

“Não vamos nos preocupar com o mal que pode nos acontecer, vamos nos preocupar com o que pode nos dar prazer.” Esta frase é a síntese do sedutor Dom Juan, mas poderia ser atribuída a qualquer conquistador de hoje, que utiliza os meios virtuais para seus galanteios e amores fortuitos. O diretor vê no texto clássico de Moliére uma atualidade e mais do que comédia, a peça é uma “quase tragédia”: Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
26/03/2012 - 20:32

Paulo Goulart Filho protagoniza ótima montagem

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Quarto 77" - em cena - Paulo G.Filho e Maria Laura - foto de Demian Golovat

SÃO PAULO – Quarto 77, de Leonardo Alkmim, é um texto interessante, na linha expressionista, enfocando um personagem recém separado da esposa e, talvez, em surto, cuja temporada, de sexta-feira à domingo, segue em cartaz no Teatro Augusta até o próximo dia 8.

Roberto Lage, quem assina a direção, cria um espetáculo extremamente convincente, com pouquíssimos recursos cênicos e acerta também no elenco.

Paulo Goulart Filho está arrasando, envolvendo a plateia o tempo todo. Um sério candidato a melhores do ano. Contracena com ele, Maria Laura Nogueira que também convence o público. Em papel menos extenso há Gisa Guttervil. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , ,
23/03/2012 - 00:03

Teatro Augusta abriga dois bons autores bissextos

Compartilhe: Twitter

Afonso Gentil, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Elenco de "Esconderijo" - foto de Fábi Ghrun

SÃO PAULO – Com tantas estréias acontecendo neste primeiro trimestre, duas presenças interessantes, as dos autores Leonardo Alkmin (Quarto 77) e Leo Chacra (Esconderijo), correm o risco de passar despercebidas. O que seria no mínimo injusto, face às boas qualidades  dos seus trabalhos.

Vivemos tempos de babel estética e formalística, com muitos dos atuais diretores de grupo querendo “marcar território” nessa onda supostamente novidadeira, com releituras, desconstruções ou narrativas fragmentadas de preguiçosa criatividade. Realmente, é muito mais cômodo demolir, que recriar com os instrumentos da  modernidade. Colocam, então, esses encenadores,  autores consagrados de todas as épocas e todos os quadrantes na condição ultrajante de “mera paisagem” em suas discutíveis carnavalizações sem eira nem beira, onde impera o grotesco da graça(?) de mico de circo, entre outras enganações.

Daí o alívio ao nos depararmos com esses dois involuntários arautos do bom uso do palco como plataforma dos questionamentos existenciais, sociais e transcendentais que justificam a  permanência do teatro como  bússola civilizatória.

O PULSANTE REALISMO FANTÁSTICO  DE QUARTO 77

Pouco conhecíamos de Leonardo Alkmin, autor deste instigante exercício de realismo fantástico, cartaz do Augusta 1. Em seu currículo desponta um premiado Cárcere Privado, nas antigas Jornadas SESC de Teatro. Antes Alkmin cursou Artes Cênicas na ECA/USP, mas não há informação em qual delas se formou.

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,
19/03/2012 - 15:23

Paulo Goulart Filho surpreende em Quarto 77

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Quarto 77" - em cena - Paulo G.Filho e Maria Laura - foto de Demian Golovat

Com direção de Roberto Lage, a peça de Leonardo Alkmim retrata o universo de um homem que se refugia num quarto de hotel e recebe a inesperada visita de uma mulher. Mistério, alucinação, realidade se entrelaçam com um final impactante

SÃO PAULO – Hotel abandonado do centro da cidade. O personagem central de Quarto 77 — peça de Leonardo Alkimm que acaba de estrear no Teatro Augusta — escolhe este local para se refugiar. Sem nome, este Homem, vivido por Paulo Goulart Filho, chega à noite ao hotel fugindo sabe-se lá do quê e, com receio, instala-se para descansar.

“O sono da razão gera monstros”
Para sua surpresa, o Homem acorda e, assustado, vê uma Mulher (interpretada por Maria Laura Nogueira) dormindo na cama ao lado da sua. Aparentemente a cena retrata uma realidade — ela diz que não tinha mais vaga no hotel e como o quarto 77 possui duas camas foi encaminhada para lá. No entanto, o público a partir da repetição da mesma cena (chegada ao quarto, descanso, surpresa ao acordar e diálogo entre os personagens) é levado ao universo misterioso, surreal e angustiante daquele casal. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , , , , , , , ,
24/02/2012 - 01:23

Caco Ciocler dá tom certo a Kafka

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Roberto Alvim volta a dirigir Caco Ciocler

SÃO PAULO – Essa é a sensação do espectador que se senta na plateia para assistir  A Construção, em cartaz no SESC Pompéia, às sextas e sábados às 21h e aos domingos às 19h até 25 de março.

O monólogo, como tudo escrito pelo autor de A Metamorfose, tem a marca de um dos maiores escritores do século 20, e não apenas em língua alemã, embora seja Tcheco. Coisas do Império Austro-Húngaro que só acabou mesmo no final de primeira grande guerra. Kafka (1883/1924) foi o pai do expressionismo alemão que acabou por influenciar todo o mundo, tendência que se baseou também em Freud (1856/1939), mais velho do que Kafka, mas da mesma região, ambos judeus e, como tais, ameaçados pelo nazismo.

O brilho do texto que se acompanha pela interpretação perfeita e surpreendente de Caco Ciocler – um ótimo ator que tem feito pouco teatro – se deve também pela tradução, adaptação e direção de Roberto Alvim. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , ,
Voltar ao topo