Publicidade

Publicidade

06/12/2011 - 17:46

Falabella apresenta Xanadu

Compartilhe: Twitter

Luís Francisco Wasilewski, especial para o Aplauso Brasil (lfw@aplausobrasil.com)

Miguel Falabella em "A Gaiola das Loucas"

RIO DE JANEIRO – Imortalizado no cinema por Olivia Newton-John na década de 1980, o musical Xanadu recebeu em 2007 a sua primeira montagem na Broadway. Acabou se tornando um dos maiores sucessos das últimas temporadas por lá, com mais de 500 apresentações invariavelmente lotadas. Quatro anos depois, o espetáculo ganha sua primeira encenação brasileira com uma ficha técnica de respeito. A direção é de Miguel Falabella, que já assinou a direção de excelentes musicais como A Gaiola das Loucas, Hairspray, entre outros.

As versões das músicas ficaram a cargo de Artur Xexéo (o jornalista estreou em musicais com A Garota do Biquíni Vermelho, onde biografou a vedete Sônia Mamede).

Encabeçando o elenco de Xanadu estão Danielle Winits, Thiago Fragoso e Sidney Magal. As atrizes Gottsha e Sabrina Korgut também são destaques do elenco.

Seguindo os padrões do original americano, a superprodução nacional terá figurinos de Marcelo Pies, cenários de Nello Marrese e Paulo César Medeiros como iluminador.

<a href="“>
Vídeo da montagem que estreou em 2007 na Broadway

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Multimídia, Notas e Oportunidades Tags: , , , , , , , , , , , ,
16/08/2011 - 15:36

Sabrina Korgut é uma d’ As Bruxas de Eastwick

Compartilhe: Twitter

Michel Fernandes, do Aplauso Brasil (Michel@aplausobrasil.com)

Sabrina Korgut, Maria Clara Gueiros e Renata Ricci em "As Bruxas de Eastwick"

Veterana em musicais da dupla Möeller & Botelho, Sabrina Korgut que já alcançou destaque e respeito em espetáculos como Sassaricando, Ópera do Malandro e Avenida Q (que, entre outros, lhe valeu a indicação ao Prêmio Shell de Melhor Atriz do Rio de Janeiro) dá vida à Jane Smart, uma das protagonistas de As Bruxas de Eastwick, cuja estreia para convidados será nesta quinta-feira (18), 21h, no Teatro Bradesco.

Três mulheres – Alexandra (Maria Clara Gueiros), Jane (Sabrina Korgut) e Sukie (Renata Ricci) – que vivem na pacata Eastwick se reúnem semanalmente para tomar um drink na casa de uma delas e conversar sobre a vida tediosa que levam. Mesmo que, entre si, concordem que um homem, mesmo que ideal, não solucione os problemas de sua vida elas acabam por evocar a sinistra presença de Darryl Van Horne (Eduardo Galvão), ninguém menos que o demônio.

A partir daí uma série de episódios que modificam a vida das pessoas de Eastwick, como uma incontrolável explosão da sensualidade, faz com que as amigas decidam extinguir aquilo que provocaram.

Sabrina Korgut concedeu entrevista exclusiva ao Aplauso Brasil, em vídeo (Imagens de José Saraiva Júnior), em que fala sobre a transformação de Jane, sobre seu trabalho e seus desejos como trazer Fascinante Gershwim – Uma Revista Musical a São Paulo e integrar o elenco de O Mágico de Oz que a dupla Möeller & Botelho apresentará em 2012.

Assista a Entrevista
<a href="“>

Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias, Multimídia Tags: , , , , , , , , , ,
12/11/2010 - 03:33

Esses Ingleses 3: Garbo estético enriquece “Ligações Perigosas”

Compartilhe: Twitter

Afonso Gentil, especial para o Aplauso Brasil (michel@aplausobrasil.com)

Maria Fernanda Cândido e Marat Descart em "Ligações Perigosas"

Para provar que nem tudo está perdido nesta cidade em tempos de vale-tudo sob o pretexto de “experimentação”, no palco ou fora dele (haja rua!), os deuses do Teatro nos presentearam em um só ano, este, com uma dezena de ótimos espetáculos de textos de autores ingleses contemporâneos.

Já nos ocupamos, cada qual a seu tempo, das felizes encenações de Francisco Medeiros em “O Amante”, de Harold Pinter e de Mika Lins  emDueto Para Um, de Tom Kempinski, dois mestres da arte do diálogo no palco.

Cometeríamos injustiça se não fizessemos, aqui, mesmo rapidamente, menção ao cartaz do Teatro Jaraguá, Os Penetras, de Mike Leigh, um esperto espelho de desencontros familiares e profissionais da classe média londrina na era Thatcher (1980).

Desempenhos seguros de um quinteto de atores afinados entre si, garantem a adesão da platéia a um tipo de comicidade não tão costumeiro.

A fulminante revelação de Mauro Baptista Vedia para a direção teatral, desde o recente sucesso A Festa de Abigaiu, sela aqui, em definitivo o destino do majestosamente tenso Ligações Perigosas, como se pode ver a seguir. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , ,
Voltar ao topo