Publicidade

Publicidade

14/09/2012 - 14:00

Julia mistura teatro e cinema

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (nanda@aplausobrasil.com)

"Julia" - foto de Gui Maia

SÃO PAULO – Depois de temporada de sucesso no Rio de Janeiro, aclamada com o Prêmio Shell de Melhor Direção, Julia estreia no Sesc Belenzinho, em São Paulo, neste sábado (15), às 21h30. A peça é adaptação do texto clássico Senhorita Julia, de August Strindberg, e tem direção de Christiane Jatahy.

"Julia" - foto de Bruno Tetto

A trama criada por Strindberg se passa no século XIX e apresenta o amor entre a filha do conde e um empregado, um relacionamento intenso que circula entre a paixão e o ódio.

A diretora trouxe o texto, Senhorita Julia, para os dias de hoje: a protagonista, nessa nova versão, é filha de um rico empresário e se apaixona pelo seu chofer, personagem vivido pela primeira vez por um ator negro, o que valoriza mais ainda os preconceitos sociais que ainda persistem no cotidiano. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, DESTAQUE, Matérias Tags: , , , ,
10/11/2010 - 00:46

Que teatrinho lindo!!!!!!!!!!

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"Senhorita Júlia", às quintas, no Estação Caneca

Não deixe de conhecer o  Estação Caneca. Um espaço cênico pequeno precedido de um café maravilhoso. Tudo apresentado com enorme capricho. O Estação quase fica na esquina da Frei Caneca com a rua Paim, alguns metros depois do Shopping. Conta com estacionamento 24 horas ao lado, com o qual é conveniado, e por isso, cada carro paga oito reais por 3 horas, se não quiser deixar na rua.  O café que funciona também como sala de espera serve ótimos petiscos.

Fui conhecer e assistir “Senhorita Júlia”, do sueco August Strindberg, um de seus textos considerados naturalistas.

Gostei muitíssimo dos atores oriundos do interior de São Paulo: Juliana Calligaris, Liz Nunes e Marcelo Bosso.

Na minha opinião, assistir a um texto de Strindberg é, em geral, um grande prazer.

Só não gostei da opção da direção em ater-se somente à luta de classes, pois se se trata de um romance entre patroa e empregado, também há outras interpretações possíveis. De todo modo, o encenador, Antonio Ginco, faz essa interpretação com grande precisão. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , ,
Voltar ao topo