Publicidade

Publicidade

15/09/2012 - 12:12

Amizade masculina dissecada em Arte

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, editor do Favo do Mellone site parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

''Arte" - crédito André Wanderley

A compra de um quadro de arte contemporânea provoca uma reviravolta na relação entre Ivan, Marcos e Sérgio, vividos por Vladimir Brichta, Marcelo Flores e Claudio Gabriel. Direção de Emílio de Mello

SÃO PAULO – Partir de um fato corriqueiro para discutir temas profundos da relação humana. Mais uma vez a dramaturga francesa Yasmina Reza tem esta intenção com a peça ARTE, em cartaz na cidade, no Teatro Renaissance, depois de grande sucesso carioca.

Assim como fez em Deus da Carnificina — que a briga entre dois garotos na escola provoca um turbilhão na vida de seus pais —, desta vez é um quadro de arte contemporânea (supostamente em branco) adquirido por Sérgio, interpretado por Claudio Gabriel, causa uma revolução na relação de amizade entre ele e Marcos e Ivan, vividos por Marcelo Flores e Vladimir Brichta. Mais do que discutir conceitos estéticos das artes plásticas, os três rapazes entram numa briga visceral, trazem à tona rugas antigas, pontos de vista diversos sobre a vida, colocando, inclusive, em cheque a amizade entre eles. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores, DESTAQUE Tags: , , , , , , , , ,
29/10/2010 - 17:18

“O Colecionador de Crepúsculos” homenageia Câmara Cascudo em grande estilo

Compartilhe: Twitter


Selma Egrei e Marcos Oliveira em "O Colecionador de Crepúsculos"

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com) Peça de Vladimir Capella baseada na vida e obra do historiador, folclorista e professor Luís Câmara Cascudo

Depois de longa e bem-sucedida temporada no Teatro Popular do Sesi, o espetáculo “O Colecionador de Crepúsculos”, de Vladimir Capella, está em cartaz, até o final de novembro, no Teatro Shopping Frei Caneca, sempre aos sábados e domingos, às 16h.

Voltada ao público infanto-juvenil — marca registrada do premiado diretor e dramaturgo — a peça é uma grande homenagem ao historiador, folclorista, jornalista e advogado, o potiguar Luís Câmara Cascudo.  Capella selecionou cinco contos da obra de Cascudo (O Compadre da Morte, A Velha Amorosa, O Marido da Mãe D´Água, A Menina Enterrada Viva e A Formiguinha e a Neve) e fez um painel da vida e obra desse grande pensador da cultura popular brasileira, autor de mais de 150 livros. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , ,
Voltar ao topo