Publicidade

Publicidade

19/09/2012 - 13:20

Isso É O Que Ela Pensa re-estreia em São Paulo

Compartilhe: Twitter

Nanda Rovere, especial para o Aplauso Brasil (nanda@aplausobrasil.com)

"Isso é o Que Ela Pensa" volta no Viga Espaço Cênico

SÃO PAULO – A peça, que já esteve em cartaz na capital paulista e passou por Brasília, volta em curta temporada, no Viga Espaço Cênico. A re-estreia é nesta quinta-feira (20), às 21h, no Viga Espaço Cênico. A direção é de Alexandre Tenório e no elenco estão os atores Denise Weinberg, Clarissa Rockenbach, Maristela Chelala, Eduardo Muniz, Francisco Brêtas, Flavio Faustinoni, Mário César Camargo e Mário Borges.

Isso É O Que Ela Pensa, do escritor inglês Alan Ayckbourn, é considerado um dos seus trabalhos mais polêmicos do escritor, que trata de loucura, fé e desintegração familiar.

A montagem gira em torno da história de Susan, uma mulher de meia idade que vai se distanciando aos poucos da realidade. A protagonista, vivida pela atriz Denise Weinberg, sonha com uma família que lhe dê atenção, já que na vida real ela convive com pessoas depressivas e envolvidas com os problemas e interesses pessoais. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Matérias Tags: , , , , , , , , , , , ,
02/04/2012 - 14:57

Mais um espetáculo brilhante protagonizado por Denise Weimberg

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias*, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

Elenco de "Isso é o Que Ela Pensa", dirigido por Alexandre Tenório

Além de elenco de altíssimo nível, arrasando,  texto de Isso é o que ela pensa bem como sua direção são surpreendentes

SÃO PAULO – A protagonista é simplesmente Denise Weinberg que envolve todo o mundo o tempo todo.  Clara Carvalho, mais chique do que a patroa, faz sua empregada. Contracenam também muitos atores conhecidos como Francisco Brêtas, José Roberto Jardim e, ainda, Eduardo Muniz, Mário Borges, Mário Cesar Camargo e Clarissa Rockenbach. Todos dirigidos com a firmeza e competência de sempre de Alexandre Tenório.

Isso e o que ela pensa, do britânico Alan Ayckbourn (A Serpente no Jardim), tem de original o fato de tratar um surto como doença, mas como única saída (exceto o suicídio) para quem vive uma decepção profunda com algo muito importante para si, e que, como não tem poder para mudar sozinho, cria uma fantasia (que não percebe como tal) para poder aguentar a situação. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,
23/11/2010 - 16:44

“O Pelicano”, clássico de Strindberg, em temporada popular

Compartilhe: Twitter

Maurício Mellone, para o site Favo do Mellone parceiro do Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

A  premiada atriz  Denise Weinberg assina a direção do texto do

"O Pelicano" (foto de Ronaldo Gutierrez)

dramaturgo sueco, que põe a nu as relações de uma tradicional família burguesa

Em sua terceira temporada, a Cia. Mamba de Artes traz, a preços populares, no Viga Espaço Cênico, até 19 de dezembro, o clássico “O Pelicano”, do dramaturgo sueco August Strindberg.

Sob a direção da premiada atriz Denise Weinberg, cofundadora do Grupo Tapa, a peça revela a característica mais marcante do autor: de desvendar e pôr a nu as relações do núcleo central da família. Suas peças discutem o drama intimista entre o casal e demais familiares.

Em “O Pelicano”, essa marca autoral é evidente: com a morte do pai, a família entra em decadência financeira e a matriarca, vivida por Sheila Gonçalves, resolve fazer com que todos voltem a morar juntos.

No entanto, os podres da família começam a vir à tona: Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Artigos, Resenhas e Crônicas, Colaboradores Tags: , , , ,
16/10/2010 - 18:58

Strindberg era contra as mulheres?

Compartilhe: Twitter

Maria Lúcia Candeias, especial para o Aplauso Brasil (aplausobrasil@aplausobrasil.com)

"O Pelicano", de Strindberg

Em vida foi chamado de misógino. Isso na maravilhosa segunda metade do século 19. Maravilhosa porque sucedia o Romantismo (da primeira metade do mesmo século) que se deu conta da situação de inferioridade com que as mulheres eram tratadas pela sociedade, dando origem ao movimento feminista, já na época do Naturalismo. Em matéria de Naturalismo, os principais autores de teatro foram os nórdicos: Henrik Ibsen (Norueguês) e August Strindberg (sueco). Não houve mulheres como na literatura. E é da peça do autor sueco que falarei.

Strindberg além de top do Naturalismo influenciou o expressionismo e o surrealismo. Mas teve uma mãe como a que aparece na peça “O Pelicano”, em cartaz no teatro Viga, apenas aos sábados (21h) e domingos (19h), insuperável. Não deixe de assistir, pois tem excelente direção de Denise Weinberg. Leia mais »

Autor: - Categoria(s): Colaboradores, Críticas Tags: , , , , ,
Voltar ao topo